Arquivo da tag: Café Hacker

Quinze aplicativos foram desenvolvidos durante a primeira Hackatona do Ônibus de São Paulo; conheça os vencedores

Projetos transformam a avaliação dos passageiros em instrumentos de fiscalização e de orientação para melhorias no transporte público

Durante 30 horas, cerca de 60 hackers — entre pesquisadores, programadores e outros profissionais da informação — reuniram-se no prédio da SPTrans para criar aplicativos e soluções inovadoras usando dados públicos do sistema municipal de transportes. Eles integravam as 15 equipes que foram selecionadas a participar da “Hackatona do Ônibus”, entre 58 projetos inscritos. A competição aconteceu das 8 horas da manhã de sábado, 27 de outubro, às 14 horas do domingo seguinte, fechando as atividades do evento São Paulo Aberta.

Hackatona é o termo usado para designar uma “maratona hacker”, isto é, esforço concentrado de trabalho de desenvolvedores para encontrar soluções criativas a um desafio proposto. Organizada pela SPTrans e pela Controladoria Geral do Município, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o concurso ofereceu 15 mil reais em prêmios às três equipes com os projetos mais bem avaliados.

Continue lendo

Café Hacker – Portal da Transparência

Encerrando as postagens sobre a cobertura das atividades São Paulo Aberta, disponibilizamos abaixo os registros da programação da sexta-feira (25/10), que sob o tema “Governo Aberto à Transparência e ao Controle Participativo” contou com duas mesas de debates, a apresentação de quatro experiências de relevância sobre o assunto e o Café Hacker do portal de Transparência:

Mesa de debate:

Transparência ativa e dados abertos

- Gisele Craveiro - Professora da da Escola de Artes, Ciências e Humanidades – Universidade de São Paulo (EACH-USP)
- Cristiano Ferri - Analista legislativo da Câmara dos Deputados
- Paula Martins - Coordenadora da ONG Artigo 19
- Leandro Valquer de Oliveira - Vice-presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo

- Comentador/Debatedor: Maurício Faria - Conselheiro do Tribunal de Contas do Município de São Paulo


Mesa de debate:

Controle participativo, monitoramento de políticas e prevenção da corrupção
- Raquel Moreno - Observatório da Mulher
- Fabiano Angélico - Coordenador de Promoção da Integridade da Controladoria Geral do Município (CGM)
- Clara Meyer Cabral - Coordenadora de Indicadores e Pesquisas da Rede Nossa São Paulo

- Comentador/Debatedor: Wagner Romão - professor do Departamento de Antropologia, Política e Filosofia da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

 

Exposição de experiências:

transparência e controle social:

Auditoria Participativa - Neste tipo de auditoria é a sociedade quem indica quais são os fatos críticos em relação ao objeto auditado e quais seriam as melhores soluções. O auditor evidencia as percepções e as avalia tecnicamente, indicando caminhos. Secretaria de Controle Interno da Presidência da República (CISET/PR).André Luiz Marini Chagas

Catálogo de Bases e Sistemas de Dados - Inovação do Decreto Estadual que regulamenta a Lei de Acesso à Informação em São Paulo, o CSBD reúne informações sobre todas as bases de dados que estão sob guarda do Governo Estadual. Organizado pela Fundação SEADE.

Parceria para o Governo Aberto (OGP) - Mecanismos de Diálogo e envolvimento da sociedade na construção e monitoramento de Planos de Ação do Brasil na OGP. Fernanda Machiavelli – SGPr

Cidade Democrática- Plataforma colaborativa para que cidadãos possam propor e construir soluções para as cidades. Henrique Parra

 

Café Hacker Portal da Transparência:

Café Hacker Promovido pela Controladoria Geral do Município. Um encontro com jornalistas, pesquisadores, programadores e ativistas para discutir melhorias para o Portal da Transparência. O evento também buscou discutir e colher subsídios para a elaboração de propostas e diretrizes para o Plano de Transparência Ativa de São Paulo

Café Hacker – Saúde

São Paulo Aberta: Atividades do dia 24/10

Neste post reunimos os vídeos das atividades no segundo dia de programação do São Paulo Aberta, evento que ocorreu entre 23 e 27 de outubro e foi fruto de um esforço multi-secretarias da administração municipal. A iniciativa buscou promover a transparência da gestão pública, a participação social, o acesso à informação e a inovação tecnológica na capital paulista.

Representantes e articuladores de redes e movimentos populares, ativistas da cultura digital e pesquisadores marcaram presença em seminários, paineis de experiências de construção e monitoramento de políticas públicas pela sociedade civil, oficinas e grupos de trabalho que discutirão políticas de participação e de transparência no âmbito municipal. A cobertura do primeiro dia de evento está disponível neste link.

Confira abaixo os registros da programação da quinta-fera (24/10), que sob o tema “Governo Aberto à Participação” contou com duas mesas de debates, a apresentação de quatro experiências sobre transparência e controle social e o Café Hacker da Saúde:

Mesa de debate:

Razões e Sentidos da Participação Social – por que a participação é fundamental para o governo aberto .
- Joana Zylbersztajn - chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania
- Frederico Soares de Lima - Coordenador da União dos Movimentos Populares da Cidade de São Paulo e Conselheiro Gestor da STS Penha
- Anna Luiza Salles Souto - Instituto Pólis
- Liane Lira - Coordenadora de Rede de Projetos do Acessa SP e integrante da Transparência Hacker
- Comentadora da mesa: Luciana Tatagiba - Professora do Departamento de Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)


Mesa de debate:
Sujeitos da participação: formas de mobilização e engajamento
- Juliane Furno Levante Popular
- Sonia Coelho - integrante da Marcha Mundial das Mulheres
- Diego Rabatone - integrante da Transparência Hacker
- Donizete Fernandes integrante do movimento de moradia
- Debatedora/Comentadora: Beá Tibiriçá - Diretora do Coletivo Digital


Exposição de Experiências:

Participatório da Juventude - Observatório Participativo da Juventude é um ambiente virtual interativo, voltado à produção do conhecimento sobre/para/pela a juventude brasileira e à participação e mobilização social. Inspirado nas redes sociais, pretende promover espaços e discussões com foco nos temas ligados às políticas de juventude. Iniciativa da Sec. Nacional da Juventude, SGPr e Universidades – Severine Macedo (Secretária Nacional da Juventude)

De Olho nos Planos - metodologias para a construção participativa e o monitoramento de planos municipais de educação. O portal apoia e estimula o envolvimento das comunidades escolares, trabalhadores(as) da educação, estudantes, pesquisadores(as), gestores(as) e organizações da sociedade civil na elaboração de planos, além de disponibilizar ferramentas digitais de mapeamento e diagnóstico colaborativo. Iniciativa da Ação Educativa com apoio de Undime e Unicef. Denise Carreira, Ação Educativa.

#DialogoSPDH - Série de conversas com a população promovida pela SMDHC; já foram realizados encontros para a discussão de políticas para LGBT, juventude, migrantes e população de rua. Carla Borges, assessora especial da SMDHC.

Marcha da Consciência Negra: 10 anos de luta por uma sociedade sem racismo. Marcha que integrou diferentes movimentos em torno da questão de cotas e genocídio de negros. - Flavio Jorge Rodrigues, da SOWETO Organização Negra e Conen – Coordenação Nacional de Entidades Negras

- Comentadora das experiências: Ana Claudia Chaves Teixeira - Núcleo de Pesquisas em Participação, Movimentos Sociais e Ação Coletiva (NEPAC) da Unicamp

Café Hacker Saúde:
CGM, em parceria com Secretaria Municipal de Saúde, reuniu movimentos, jornalistas, pesquisadores e programadores para debater informações disponíveis na área da Saúde e levantar  demandas por novas informações.

Café Hacker Planeja Sampa

Na quarta-feira, 09 de outubro, a Secretaria de Planejamento Orçamento e Gestão (Sempla) e a Controladoria Geral do Município (CGM) reuniram pessoas da sociedade civil e profissionais de diversas secretarias da Prefeitura de São Paulo para a terceira edição do Café Hacker SP deste ano.

Desta vez, o foco da atividade foi discutir o desenvolvimento de um portal para o Ciclo Participativo de Planejamento e Orçamento. Para tanto, os participantes compartilharam ideias, conhecimento, expuseram sugestões e indicaram possíveis encaminhamentos para o desenvolvimento do site http://planejasampa.prefeitura.sp.gov.br/, que já está no ar e pretende instrumentalizar e qualificar ainda mais a participação popular.

Continue lendo

Café Hacker – Sempla – modelo do portal participativo

Café Hacker Sempla discute modelo do portal participativo

 

A Secretaria de Planejamento Orçamento e Gestão (Sempla) e a Controladoria Geral do Município (CGM) reuniram pessoas da sociedade civil e profissionais de diversas secretarias da Prefeitura de São Paulo para a terceira edição do Café Hacker SP de 2013.

Desta vez, o foco da atividade foi discutir o desenvolvimento de um portal para o Ciclo Participativo de Planejamento e Orçamento. Para tanto, os participantes compartilharam ideias, conhecimento, expuseram sugestões e indicaram possíveis encaminhamentos para o desenvolvimento do sitehttp://planejasampa.prefeitura.sp.gov.br/, que já está no ar e pretende instrumentalizar e qualificar ainda mais a participação popular.

Apesar de já estar acessível, o site Planeja Sampa ainda será tema de novos debates e Cafés Hackers para que seja aperfeiçoado e que incorpore novas ferramentas de participação. Nesta edição, membros do GPOPAI-USP, da Rede Nossa São Paulo, Open Knowledge Foundation, Associação dos Especialistas em Políticas Públicas do Estado de São Paulo – AEPPSP, Plone Foundation, Transparência Hacker, entre outros, contribuíram com sugestões sobre acessibilidade e interatividade.

Café Hacker discute desenvolvimento do portal de planejamento e orçamento participativos da cidade

A Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (SEMPLA) de São Paulo, em parceria com a Controladoria Geral do Município (CGM), realiza na próxima quarta-feira (9/10) uma reunião para discutir o desenvolvimento de uma plataforma para o Ciclo Participativo de Planejamento e Orçamento da cidade de São Paulo.

O encontro será realizado no formato de “Café Hacker”, que tem sido organizado pela CGM em parceria com secretarias para discutir dados públicos, sistemas e portais da Prefeitura. Devem participar programadores, ativistas e organizações da sociedade civil que promovem iniciativas na área.

Continue lendo

Café Hacker – e-sic

CGM e Prodam reúnem hackers para aprimorar sistema de pedidos de informação

Ativistas, jornalistas e outros usuários puderam sugerir mudanças; documento com retorno sobre sugestões deve ser divulgado em 20 dias

Conhecer as principais dificuldades dos usuários e debater possíveis melhorias no sistema eletrônico do Serviço de Informação ao Cidadão (e-SIC). Esses foram os objetivos da segunda edição do “Café Hacker”, promovido pela Controladoria Geral do Município (CGM) em parceria com a Prodam na última quarta-feira (18).

Durante debate na sede da Prodam, empresa responsável por prover à Prefeitura de São Paulo soluções de tecnologia da informação e comunicação, representantes da Sociedade Civil, jornalistas e principais usuários do e-SIC tiveram a oportunidade de tirar dúvidas e sugerir mudanças no sistema de transparência passiva utilizado pela Prefeitura.

20-09_cafe_hacker_e-sic_390x170_1379962910
Café Hachaker e-sic

O encontro foi mediado por Fernanda Campagnucci, Diretora de Fomento ao Controle Social da Coordenadoria de Promoção da Integridade (COPI), uma das quatro áreas estruturantes da CGM. “A principal motivação deste debate é colher sugestões e aperfeiçoar o sistema, que está completando 1 ano e dois meses de funcionamento em São Paulo”, explicou Fernanda.

O Presidente da Prodam, Márcio de Andrade Bellissomi, esteve presente no encontro. Acompanhado do Diretor de Desenvolvimento, Sérgio Mauro, Bellissomi parabenizou a CGM pela iniciativa.

“Agradeço a presença de cada um de vocês em nossa sede. Acredito que este momento de contato direto com os principais usuários do e-SIC é extremamente importante para aprimorarmos nosso sistema. Temos hoje vários projetos de amadurecimento no que diz respeito ao pleno acesso à informação, e neste processo contamos com a contribuição de todos”, comentou.

Representando a CGM, também estiveram presentes a Assessora Especial da Ouvidoria Geral, Cláudia Possan Foschiera; e a Diretora de Divisão Técnica de Transparência Passiva, Juliane Manes Alves.

De acordo com Cláudia, o e-SIC tem sido uma ferramenta cada vez mais utilizada pela população e por profissionais da imprensa para obter informações junto à Prefeitura. Para se ter uma ideia, em 2012, primeiro ano de funcionamento do sistema, foram contabilizados 295 pedidos. Este ano, a quantidade de solicitações já protocoladas supera 700, o que indica um crescimento de pedidos que beira 200% .

“Com uma demanda em constante crescimento, tivemos que implantar, nos últimos meses, diversas melhorias, como a formação de uma equipe para trabalhar exclusivamente na gestão do sistema e dos prazos de resposta aos pedidos, a criação dos pontos focais em todas as unidades municipais e um monitoramento diário no fluxo de protocolos”, lembrou.

Segundo Juliane, a Divisão Técnica de Transparência Passiva, no entanto, não se preocupa apenas com o cumprimento dos prazos, mas também com a qualidade das respostas e das informações passadas ao munícipe. Juliane também apontou os próximos desafios de sua equipe para aprimoramento do sistema.

Entre eles, estão a revisão e aperfeiçoamento do Decreto Municipal 53.623/2012, que regulamenta a LAI estabelecendo procedimentos para garantir o pleno acesso à informação, e um futuro Banco de Conhecimento, que contenha um histórico de consulta de todos os pedidos e suas respectivas respostas, preservando apenas a identidade dos requerentes.